9 de agosto de 2011

Hoje vou-vos falar da minha avó. A pessoa que me criou e a que me dava o maior valor. Sabem, ela muitas vezes me dizia "Deus queira que eu ainda cá esteja quando acabares os estudos". Passava os dias inteiros na sua companhia, lembro-me como se fosse hoje... Mas hoje ela tem 80 anos e sofre de Alzheimer há já 7 anos. Hoje já não é ela que toma conta de mim, sou eu que tomo conta dela. Sou eu que ajudo a dar-lhe banho, a vesti-la, sou eu que lhe preparo as refeições e lhas dou. Sabem, ela já não anda, já não fala, já não chora, já não sorri. Se lhe doer qualquer coisa, não se queixa. Se tiver frio ou calor, não diz nada. Se tiver fome, não pede. Anda numa cadeira de rodas e come sopa ralada através de uma seringa. Não tarda nada fica acamada e a alimentar-se por uma sonda. E isto é horrível e desgasta uma pessoa. Eu assisto à morte lenta da minha avó, e não há nada que eu possa fazer para travar isso! Tenho tantas saudades dela.

(É verdade avó, Deus não quis que me visses a acabar o meu curso.)

16 comentários:

  1. está tão bonito este texto , está mesmo .

    ResponderEliminar
  2. Eu percebo bem o que está a sentir. A minha avó não tem Alzheimer mas também não anda e fala cada vez menos, mas conhece.nos. Mas se há coisa que eu peço é ter os meus avós quando acabar o curso, era o sonho do meu avô e eu espero bem que se realize. :)

    Quanto ao relógio, acho mesmo que foi á vida. =/

    ResponderEliminar
  3. está tão tão sentido. muita força. a tua avó terá sempre orgulho no que és.

    ResponderEliminar
  4. dá para sentir por essas palavras :s

    ResponderEliminar
  5. Ela vai ter muito orgulho em ti, de certeza. :)
    Pois, espero bem que sim. ahah

    ResponderEliminar
  6. Adorei o blog :')
    E este teu texto está lindo, força :x
    Sigo *

    ResponderEliminar
  7. é bom saber que alguém nos compreende :))
    força <3

    ResponderEliminar
  8. tu és forte e eu tenho muito orgulho em ti <3

    ResponderEliminar